Select Page

Histórias de sucesso

Retrato de artista de belas artes de Grrace

O nascimento do Grrace

Quando comecei a pintar na escola primária, disseram-me que eu era um péssimo artista.
Os professores de arte consideravam-me incapaz de produzir representações únicas ou pensamentos originais.

Encontrar a luz através das nuvens

Aos 19 anos, foi-me diagnosticada afantasia, uma doença que inibe a capacidade de “ver” imagens mentalmente. Se me tivessem pedido para imaginar uma maçã, eu só veria escuridão. Fiquei de rastos. De repente, senti como se esse véu de ignorância tivesse sido levantado e, no entanto, a possibilidade de o alcançar estaria para sempre fora de alcance. Esta capacidade de visualizar a criatividade.

No entanto, entretanto, estava ocupado a estudar relações internacionais e direito humanitário na universidade. Deixei de lado a possibilidade e concentrei-me no que era importante – compreender o mundo em que vivemos e operamos.

Depois, apenas um ano após esta triste revelação sobre a minha suposta cegueira mental, a minha mente passou a ser procurada. Em março de 2020, o mundo fechou-se. Quando é que as fronteiras serão reabertas? Quando é que a vida vai “voltar ao normal”? Qual será a resolução?

Agora não tinha todas as respostas, mas via a vida através de padrões. Para alguns, a Covid-19 foi uma oportunidade de ganhar tempo. Tudo o que podia fazer era adaptar-me ao “novo normal” e tentar manter-me sã no meio do pânico em Otava, no Canadá – onde estava a viver para estudar.

Assim, comecei a pintar de novo, mas desta vez apenas para mim, como uma libertação mental. Pintava imagens do quarto onde, durante mais de um ano, conduzi a minha vida, pintava imagens do meu pequeno quintal e da casa que partilhava com alguns amigos próximos.

Ligar-se à natureza

Em fevereiro de 2021, decidi viajar para a América Central, onde tinha ligações pessoais. Pintava com muito mais frequência. Cada vez que trabalhava numa peça, sentia a minha mente relaxar e, consequentemente, começava a ver o mundo à minha volta não em imagens mentais, mas em cores. A relva já não era apenas verde, mas de um verde viridiano profundo e luminoso. A vedação não era apenas um poste, mas um opulento tom de castanho camelo.
Mais ainda, comecei a aperceber-me de que as cores que utilizava na minha arte tinham um efeito profundo, físico e emocional em mim. Quando combinava preto marfim com vermelho amaranto, a frustração e a raiva acumulavam-se no meu interior, levando-me a atacar as pessoas à minha volta. No entanto, quando utilizava o azul cadete em conjunto com um verde pistácio suave, a minha mente ficava tranquila.

Tomar medidas

Com o apoio da minha irmã mais nova, foi aí que vendi a minha primeira coleção de arte no verão de 2021. O dinheiro recebido ajudou a financiar a minha próxima viagem. Criar essa coleção e sentir o impacto da cor também me lançou numa curiosa viagem de aprendizagem em profundidade da ciência por detrás da psicologia da cor. Durante a minha viagem, criei pinturas personalizadas para amigos e colegas, chegando mesmo a produzir um mural na Nicarágua dedicado às mulheres trabalhadoras do país.

Ao regressar ao Canadá meses mais tarde, a minha carreira artística oficial começou com uma exposição individual inaugural em abril de 2022 na minha cidade natal, Calgary.

Respirar e brilhar para inspirar os outros

Agora, crio quadros com o objetivo central de espalhar a atenção. Enquanto as palavras e as imagens podem perder-se na tradução, as cores transcendem as culturas. Quando crio um quadro abstrato, 10 pessoas diferentes vão ver 10 imagens diferentes. No entanto, essas imagens serão influenciadas pela psicologia das cores incorporadas na obra. Quando crio quadros que fazem com que as pessoas se sintam alegres, à vontade e até mesmo amadas, elas espalham a positividade àqueles com quem se cruzam ao longo do dia.

O meu objetivo é selecionar intencionalmente as cores para harmonizar a intenção de um espaço.

Quero partilhar os meus conhecimentos de psicologia da cor com o mundo para revolucionar a arte contemporânea através da atenção plena.

6 + 3 =